SEGUIDORES

segunda-feira, 16 de maio de 2011

NÃO DESISTI...

Amigos, machuquei o braço, num pequeno acidente, estou impossibilitado de digitar, mas estou bem!?!
Não desisti e, por favor!!! NÃO DESISTAM DE MIM... Em breve voltarei, espero!!!

Beijos a todos!!!

Geraldo.

terça-feira, 3 de maio de 2011

À PROCURA DE MIM

Imagem google
À PROCURA DE MIM...

O vento enfurecido, rouba as folhas da primavera agonizante,
o tempo transformado pelo tempo que o homem plantou, fortes
temporais assolam a terra, assim como, tantos outros cataclismos
"naturais" numa concorrência acirrada, homem e natureza disputam
quem mata mais... Quem morre.
Descortinaram o sol, o que outrora seria um verso poético, ou fonte
vigorosa da vida, agora é ameaça de corrosão das retinas do planeta
e, meio sem graça, procuro por mim, num contesto de rasões que
mostre um caminho pra continuar justificando a dádiva da vida, com
a honestidade de quem precisa, um pouco mais que, simplesmente sobreviver.
Os rumos da humanidade, tomam rumos incertos, e, de repente, toma
o caminho de volta, antes da hora... Multidões se juntam, erguem taças,
brindam a morte, ostentando a bandeira da PAZ, em nome de Deus,
semelhantes seus... Oh, Deus!?!
Os algozes de agora e nós de outrora, como saber?!?
Eu?
Eles... Você?!?
Entre nós, quem é melhor, entre nós, pior... Quem será???
Do alto cume da mais alta montanha olhos esbugalhados e incrédulos,
acompanham a transição das fases evolutivas do planeta,testemunhando
contrariados o cumprimento das profecias, que não deveriam se cumprir, 
seriam alertas apenas... Mas, o homem, prazeroso e cheio de soberbas,
aproveitou, pelo menos, o que era pior. 
A morte na praça, recém nascidos na rua, vidas no lixo, crueldade... Capricho!?!
Um corpo no mar, falta jeito de amar, o sol... Cadê o sol?!?
A escola invadida, o professor da morte, alunos sem vidas... Revida, revida.
O morro, morro, sem socorro, desce tudo, sobe a descrença... A violência!
Pais, filhos, famílias, guerrilhas invadindo, saindo, implodindo, matando... Sorrindo.
Edifícios no céu, aviões rasantes... Agonizantes, civis, fuzis... Quem é pior?
O soldado é homem também, gente de família, de pais, mães  e filhos... Levados
por ideais ou sem nenhuma escolha, levados, apenas levados.
E eu, nisso tudo, me procuro, fico tentando me encontrar... Se não pioro, também,
não faço nada pra melhorar. Fico falando de amor, mas de tão amargo, incapacitado
de amar.
Meu grito de alerta ressoa mudo neste oceano morto de cisnes negros, ar sem ar,
misseis, pássaros sem asas, olhos de vidros cuidando da segurança das praças e ruas
transitadas por mortos-vivos, soldados da vida, vida... De Poeta Louco, que fingindo um
resto de sensatez... Se cala.

GERALDO???

quarta-feira, 20 de abril de 2011

REFLORIR...

(imagem google)
REFLORIR...

Poeira...
Relógio quebrado,
lençóis dobrados,
roupas no chão...
Um pouco de vida,
resto de comida,
desilusão!

Tédio...
Memória de amores,
aparas de flores,
pensamentos em vão,
Uma resta de sol...
Tarde, resto, arrebol...
Escuridão!

Sinais...
Outro copo vazio,
ensejo, desejo e cio...
Obsessão.
Sopro divino que induz...
Uma gota de luz,
Coração.

Amanhecer...
Portas abertas,
palavras incertas...
Emoção.
Acorde sonoro do amor,
pólen fecundado, flor...
paixão.

GERALDO.






terça-feira, 19 de abril de 2011

DESTINO

                                                                           (imagem google)
DESTINO...

Uma nova era, 
anuncia no ar... Mudanças!
Mudanças que vem no vento, 
e que, a todo momento,
me invadem o coração...

Entre um plano e outro,
que faço e desfaço,
invento jaulas e laços,
seguro perto de mim...
O que for ilusão.

Com o pensamento solto no ar,
venço distâncias... Salto barreiras!
E, mais uma vez, ou a vida inteira,
vou brigando e brincando a mesma brincadeira,
em que o destino, por ironia, devolve a menina,
que em mim, ainda tem parte ou...
A mulher que preciso ser.

Entre planos e desenganos,
destranco meus sentimentos,
vou ao encontro dos meus motivos,
que, por encanto ou desencanto,
parecem uma resposta justa à criança 
que "fui" ou a adulta que vou ser.
Definindo, enfim, para mim,
o que é viver.

E assim sigo...
Entre jaulas ,
planos e laços,
te seguro perto de mim,
por seres assim...
Uma doce ilusão.

NENA

domingo, 3 de abril de 2011

ENTENDEREI...


ENTENDEREI...

As vezes...
Quando um acorde enigmático, de um sol qualquer, de qualquer dezembro
me desperta e surpreende, olho a natureza que me cerca, e entendo que,
o vento balançando os galhos secos, insistente, me diz não...

Entenderei as estações,
assim como,
entenderei o sopro do vento forte, do norte,
esparramando pássaros no meu céu,
e folhas secas, no meu chão.

Entenderei tudo,
menos a minha dor,
de estar longe de ti.

Entenderei os abismos que nos separam,
mesmo que eles, profundos, decidam confundir as montanhas,
só não entenderei a distância que nos separa,
porque ela é abismo e montanha entre mim e ti.

Entenderei os outonos,
que de mim tomarem conta,
e de, qualquer forma,
inventarei sempre primaveras para o meu coração...

Pois os botões que se fizeram espera,
agora, decididamente, florescem nos galhos cecos,
prometendo mudanças.

E... Com o primeiro verde,
que na paisagem morta surge,
já faz renascer em mim,
uma nova e doce ilusão...

Uma esperança... Criança!
Feito flores se abrindo,
numa nova primavera,
para o meu coração.

NENA
(nunca soube se é de autoria própria ou carinhosamente
garimpado à aquele momento muito especial de nossas vidas)

terça-feira, 22 de março de 2011

REEDIÇÃO

 REEDIÇÃO.

Louca, é a luta, pela sensatez do mundo. A obsessão pela normalidade é o extremo da loucura...
Normal é a paz louca da autoconfiança, e a conquista da fé raciocinada, em um  SER superior...
"FAÇA A TUA PARTE QUE EU TI AJUDAREI..." Sem desespero ou falsas esperanças
nas vitórias fáceis apregoadas pelos profetas mundanos. Voltemos... Seguindo o caminho 
que deixamos marcado com os grãos do nosso progresso moral.
Se deixamos boas marcas, retornemos, ainda que, ao ponto de partida e reeditemos a história,
reparando erros e cuidando do replantio, pois sementes boas dão bons frutos e nutrem vidas 
saudáveis.
A construção mais segura é aquela, tecida nas fibras sólidas do coração... Evolução se conquista 
passo à passo, numa marcha obstinada pela conquista da fraternidade e amor ao próximo.  
Mais importante que ter algo, é ser algo...O que somos é o que temos de verdade agora, e para 
toda eternidade. Se, ainda necessitamos ver para crer, basta-nos... Abrir os olhos.

GERALDO

domingo, 20 de março de 2011

ILUDIDA MENTE

ILUDIDA MENTE.

Mente, iludidamente...
Desmente o coração,
Ignorando o que sente,
mente, iludidamente... Razão.

A rua escura...
Tantas juras!!!
Em vão.

Descaminhos, tortuosos caminhos...
Folhas cecas... temporais!
Sonhos que sonho sozinho,
vulneráveis ninhos... Sinais.

Devaneios e pensamentos...
Aconchego... Relento!!!
Abismais.

Introspectivo, ativo... Sentimento!!!
Vulcão passivo... Erupção!
Explosão, lavas e sedimentos...
Fusões de vidas, vida viva... Razão.

Amor envolvente,
iludindo a mente...
Paixão.

GERALDO.





 

terça-feira, 8 de março de 2011

MULHER... SEMPRE LUZ!!!

(Imagem Google)
MULHER... SEMPRE LUZ!!!

Sempre luz, Mulher de luz...
Fonte de vida, infindável amor,
negas a ti à suprir aos teus,
multiplicando os pães,
suplicando à Deus.

lágrimas vertidas,
no silêncio das rogativas,
vencendo o ódio do pretenso amor,
Proteges a vida da tua cria,
teu fruto bendito...
Feito Maria.

Fez tua fortaleza,
com os tijolos da injustiça,
vencendo a fúria da incompreensão.
És superior, sem humilhar...
Mulher, menina... Luz Divina,
à nos guiar.

Teu dia, Mulher, é todo dia!!!
Mas que seja hoje o despertar...
Mãe, filha, amiga, companheira...
Em teu útero de imensurável amor,
germina a semente da vida,
 desvencilha-se,  feito roseira, dos espinhos,
para gerar a beleza da flor.

És musa, amante... Amada Mulher!!!
Digna de admiração e respeito...
Sempre terno é o teu olhar,
reges a vida, com encanto,
Amenizando as dores do mundo,
com o calor do teu, sagrado, manto.

GERALDO

LUA BONITA

LUA BONITA...

Ah!!! Lua bonita,
trazendo paz infinita,
no anoitecer do meu sertão...
Pena, só tenha na lembrança,
as magias de uma criança,
movida em sonhos... Doce ilusão!

Brincadeiras no terreiro,
promovendo o beijo, primeiro.
Beijo, abraço, aperto de mão?!?
Pique esconde... Ciranda!!!
O amor por Yolanda,
e o medo de assombração.

Lua nova e prateada,
Clareando minha estrada,
Inspirando a canção...
A primeira poesia,
Repleta de magia,
feito bolhas de sabão.

E a rosa no jardim,
Viva, como a vida, em mim...
No esplendor da emoção,
revela o amor que sente,
O menino, feito a rosa, não mente...
Explicita nos olhos, o coração.

É... Lua bonita!!!
Parece-me, também, aflita...
Em tanta poluição!!!
Ilumina, ainda, meus pensamentos...
Ora em forma de lamentos,
Outrora, em oração...
Companheira de tantos sonhos,
somos cúmplices medonhos...
Da mesma solidão.


GERALDO.

sábado, 26 de fevereiro de 2011

ME ILUDINDO...

(Imagem Google)
ME ILUDINDO...

De repente,
Cri na felicidade...
Me vesti de fantasia, voei alto no meu céu de ilusões... Sonhei.
Sonho adolescente.
Sonho puro... Indecente!
Desejos do corpo, contidos em coração... Inocente.
Voo rasante em asas de cera sob o calor do teu sol e as intempéries
da minha paixão... Chão.
O dia fê-se noite...
Sol pálido!!!
Sol cálido... Escuridão.
Mesa de bar,
quarto vazio, frio e... Solidão.
Solidão de tormentos,
Multidão de pensamentos,
piratas do sono, ladrões de sonhos,
menino carente... Gente.

Pés no chão,
relva fresca... Aurora.
A escuridão da mente, o contraste...
A luz lá fora.
A fada do amanhecer, vencendo os demônios da noite,
O dia novo, esperança, e eu, sonhando outra vez...
Reconstruindo minhas asas e alçando voo até uma próxima estação,
Me iludindo e seguindo tua luz de sol, que me embale e aqueça...
Até o próximo verão.

GERALDO

sábado, 19 de fevereiro de 2011

MÃO ÚNICA

(Imagem Google)
MÃO ÚNICA...

Adentrar a mata...
A sombra, o cheiro fresco, essência pura de vida.
Desvirginar a mata e o medo em nós... Animal feroz!!!
Medo de nós...
Homens de tantas eras, quem era?!?... Que era???
Quem somos nós?!?
Caçadores de animal feroz... Ai de nós!!!
Vítimas e algozes...
Caçadores de vidas, sem vidas...
Caminheiros apenas de ida, de novo... Sem vidas.
Reinventa a estória mas repete a saga, até que tudo, um dia...
Tudo se acaba.
O papel se rasga, sob a ação ostensiva da borracha.
O tempo, é tempo... O caos!!!
Homens bons... Bichos maus!?!
Só vemos o tempo de agora,
o caminho se esvaindo sob os pés...
A luz branda que sega e some,
traindo olhos e alma... 
Tempo ido, dias perdidos... Fome.
Quem era???
Só era... Calma.
Vida futura, a vida procura... Vida.
Sem olhos, memória, sem boca,
gente sana... Massa louca.
Devastando o caminho de volta, vai!?!
Segue em frente!!!
Multidão de inconsequentes...
Negando a origem,
tomados à vertigem...
Antes do fim...
Enquanto, ainda restar um lugar,
pra onde se pode voltar...
La dentro de nós...
Animais ferozes, homens algozes...
Adentrar a mata... Promover o espetáculo
do replantio, do renascimento da vida em nós...
Da vida para nós. Antes do fim...

GERALDO

domingo, 13 de fevereiro de 2011

FLUXO DA VIDA

 (Imagem Google)
"FLUXO DA VIDA"

A vida se renovando a cada dia, plantação de gente, germinando a semente... Deus!!!
Perpetuando a família, em tantas idas e vindas, encontros, desencontros e reencontros...
Os ciclos da vida trazendo de volta a oportunidade de consertar os erros do passado.
Amigos queridos, incompreendidos, anjos feridos de volta, refeitos na matéria e centelha
reciclada pra vida, pra vida que podemos compreender. De volta ao seio da família, renasce
novo, um botão de flor que desabrocha lentamente, na divina e perfeita justiça de Deus, que
acortina olhos e memória, pra que tudo seja mérito ou fracasso do livre arbítrio.
Pais recebendo sementes perfeitas, sob a responsabilidade de fazê-la germinar, crescer e
desabrochar, gerando bons frutos, alimentando, renovando e fazendo evoluir, moral e intelectualmente
nosso planeta, que também segue seu fluxo de vida e evolução, através dos tempos.
Tudo melhora sempre, num tempo que não é nosso tempo, um tempo que não podemos compreender,
dada nossa limitada visão.
Para os filhos de Deus não há involução, cada coisa no seu tempo, somos o que somos; sem precipitação,
um passo de cada vez e do tamanho que as pernas podem alcançar, se não, nos perdemos na depressão,
no medo, e na falta de nos mesmos, precisamos voltar para um encontro dolorido, onde nos sentimos impotentes e culpados por sermos, simplesmente, o que somos.
É claro que é preciso trabalho e esforço para melhorar sempre, porém, o ciclo da vida é sábio e gerido
por um Pai compreensível, caridoso  e infinitamente justo, conhecedor das nossas fraquezas e possibilidades.
Sabe que, as vezes sucumbimos mas que podemos nos levantar e continuar a caminhada.
Orai mas, sobretudo, vigiai!!! Toma conta da própria vida; dos atos, das palavras e dos sentimentos. Selecione o que vê, o que ouve e não pré julgue. Nunca vai compreender o ato alheio, porque alheio é o autor, apenas se coloque, por instante no lugar "de", e, talvez compreenda que o fruto é ruim, por circunstâncias, mas  que, aquela árvore, com algum cuidado, pode enriquecer seus frutos e dar bons alimentos, alimentos de vida e aprendizagem, mesmo porque, se incomoda!?! Já é degrau na infinita escada da evolução, se tivermos humildade, serenidade e sabedoria de respeitar o próximo como ele é, onde ele está, na condição e no patamar do seu tempo.
Quanto mais tempo permanecermos aos pés da montanha, com medo de escalá-la... Mais tempo permanecemos na multidão de iguais, anjos e demônios se misturando e confundindo tudo.... Dor, sorriso alegrias, inferno e paraíso. Bons imperfeitos e maus perfeitos seguindo por linhas tortas em busca do caminho certo... Ainda deserto.
A vida se renova, renasce e ceifa, num ciclo de oportunidades, idas e vindas com cara de novo. Breves despedidas e reencontros renovados num sorriso inocente, ou num choro manhoso de quem implora... Me aceite.

GERALDO

domingo, 6 de fevereiro de 2011

SOU ASSIM...

 (imagem google}
SOU ASSIM...

Sou assim... Do seu jeito,
do jeito que quiser...
Um príncipe feio,
um sapo encantado,
menino maduro,
homem safado,
me moldo ao teu jeito,
do jeito que você quiser.

Mudo os meus amigos...
Deixo o futebol,
lavo a geladeira no inverno,
ou em pleno domingo de sol...
Jogo sinuca contigo,
Pra ficar ao seu lado, amor...
Mudo até os meus amigos.

Ouço meu rock baixinho...
E canto amor pra você,
troco meu filme de ação...
Pelo seriado na tv.
Pinto tuas unhas, Acaricio teu gatinho...
Por você amor...
Ouço meu rock baixinho.

Deixo o carro em casa...
Preservo seu ideal,
compro flores fiado,
visto traje social...
Aparo arestas, corto as asas...
Pra ir junto com você, amor...
Deixo até o carro em casa.

Declaro, em público, meu amor...
Em alto e bom tom!!!
Pinto frases em muros...
Subo em carros de som!!!
Sou assim... Seja como for.
Mudo toda minha vida,
pra que todos saibam, querida...
Grito em público meu amor.

GERALDO

sábado, 5 de fevereiro de 2011

NÃO ESTOU...

NÃO ESTOU...
(imagem google)


Muitas luas...
Sol à sol.
O tempo passou em fel...
Saudades suas,
o arrebol...
Amor cruel,
lágrimas vertidas,
borrões de vida...
Papel.

Poemas na areia...
Mar bravio...
Reflexo de luz,
sem luz...
Desvio.
Mente vã,
pés descalços,
sonhos falsos...
Loucura sã.

Horizonte, uma fonte...
O dia de ontem...
Homem feliz,
menino aprendiz...
Afronte.
Uma placa na porta...
A vida não para... É rara.
Não estou... 
Não volta.

 Geraldo.

sábado, 29 de janeiro de 2011

INCONSCIENTE


"INCONSCIENTE"


Ti espero...
Como uma imagem encantada do inconsciente...
Uma lenda da vida real... Sei lá!!!
Acima do bem e do mal...
Deusa, anjo, Nuvem passageira,
que liberta o sol da escuridão...
O sim da vida desafiando o não.

A esperança do que não mereço...
Lembrança, saudade do que não conheço.
Uma solidão assistida pela vaidade...
Vida viva, realidade... Maldade!
Sonho que acredito sem beliscar...
Dia amanhecendo, e eu...
Não querendo acordar.

És fada, santa sem altar, mulher e encanto!
Um sorriso triste, alegria expressa num pranto...
Musa de toda inspiração do meu amor,
És minha senhora!!!
Me faz teu... Senhor.
Me encontra no anoitecer desta vida...
Alma gêmea de todas e tantas... Idas!!!

Este meu coração vadio... inconstante!!!
Minha boca, em tantas bocas... Vacilante.
Juras vans de amor... Amores!
Você... Perdida entre flores.
E eu, jardineiro iludido,
vou regando o joio entre o trigo,
deste meu coração... Ferido.

Brinca comigo no espelho...
Baila, canta, me encanta... Me deixa só.
Eu... Homem impaciente,
Anjo do meu inconsciente...
Meu amor transcendental...
Vou, errante pela vida,
Mas sempre esperando, querida...
Um novo encontro astral.

GERALDO.
"imagem google"

sábado, 22 de janeiro de 2011

FALTAS E FARTURAS

"FALTAS E FARTURAS"

Tenho os dias, tenho as horas...
A vida toda... Toda vida pra viver!
Um violão emudecido...
Eu, cancioneiro perdido...
Tudo é nada sem você.

Na vastidão dos pensamentos...
Liberdade, horizonte, céu e mar!!!
Eu... Só poeira e estrada.
Uma rés desgarrada...
Sem a luz do teu olhar.

Amor efusivo...  Latente.
Paixão ativa, vulcão!!!
Poema sem rima, sem verso...
Um ponto negro no universo...
Vida vã... Ilusão.

Hoje posso sorrir!!!
Há promessas de vida em mim!!!
Amor maduro em adolescente...
Segurança em homem carente...
Renasce, das cinzas, meu jardim!!!


Cancioneiro, caminhos, violão e verso...
Andarilho, estrada e... Chão.
Um ponto de luz no universo...
Você é vida, amor... Paixão. 


GERALDO.

domingo, 16 de janeiro de 2011

ANJO

ANJO

Sinto-te o tempo todo...
Não sei quem é, embora, creia, conhecê-lo...
Chega sempre na hora exata...Quando preciso e...
Preciso sempre!!!
Vejo-te nos sonhos, as vezes medonhos, outras...
De muita paz e brandura, feito nuvem em
plumas... Candura.
Passas por mim,  não me olha, não ti vejo...
Sinto tua luz em tons de alegria, vaporizado no ar...
No coração, na mente...
Me afaga,  apaga as rugas da minha cara, as
fugas da alma, os calos da palma, aliás... És
calma... Imagem tranquila, mar em calmaria,
praia vazia... Natureza,  criação e cria.
Vê tudo... Passivo.
E paz... Partilhas.

És inspiração... Centelha divina, sopro de vida
que aviva o amor em meu coração...
Parece nunca desistir, não se cansar!!!
Inseguro eu... Não respondo, não correspondo
a confiança, que tens em mim.
Vê tudo do alto da montanha... Do cume, e
eu no lodo, tentando me livrar das amarras
dos pecados originais... Graves sinais!!
Meu anjo da guarda, me guarda e aguarda
paciente, a cura de minha alma doente... Descrente.
Tantas vidas!!! Voltas e idas, e eu tão lento...
Sob tuas asas e teu olhar atento... Amor e talento,
ilusão de liberdade, prisão do lado de fora... Relento.
Acorda-me, descerre a cortina, desperta-me à luz...
Apare as aresta, corte as raízes, me faça ir ... Evoluir!!!
Já mostrou-me o caminho... Interfira!!!
Não sei caminhar sozinho!?!
Do meu livre arbítrio... Sou refém!!!
Feito pássaro livre que não sabe voar...
Estou pronto, quero partir...
Também te libertar de mim...
Sei que almejas voos mais alto e...
Pode ir, pode voar!?!
A tua luz, sempre vou seguir...
O teu amor fraterno sempre vai,
meus passos guiar.

GERALDO.